Versos: A Derrota dos Invencíveis

Vejo versos velhos
Sozinhos, sem som
Pois perdi a poesia
Agora abandonada

Canções, cantigas
Marcam meus medos
Inúteis, fúteis
Derivados do desejo

Quem quis o quando
Outrora odiava o onde
E brincou por brincar
Nutrindo nãos e nadas

Há histórias humanas
Mais nobres que esta
Paz de paixões planas
Como sombras numa sesta

Desfiz-me de uns segredos
Visando à vitória da verdade;
Que escapa dos meus dedos
Aufere amor, apaga alarde