Previsão por MD5

É bem verdade que acertei em cheio na previsão anterior. Mas nem vou abusar da sorte.

Então vou fazer uma previsão por MD5. Assim fica o registro, ainda posso me gabar no caso de acerto, e não preciso me comprometer no caso de erro — embora ainda vou admiti-lo, se esse for o caso.

A previsão: e956ba1a4f596f249712710f94012e27 será candidato político, provavelmente deputado, nas eleições do ano que vem.

Para quem desconhece, esse código acima se chama “hash” e está no formato MD5. Se eu acertar a previsão, posso revelar qual o nome do sujeito que está “hasheado”, e todos poderão obter esse mesmo código fazendo o hash. Um detalhe dos hashes é que elas não são feitos para serem decodificados, e de fato existe mais de uma combinação de palavras que pode gerar um mesmo hash, então, a não ser que eu diga qual foi o nome que usei, não é possível ter certeza do que quero dizer com esse MD5.

Previsão: O diploma de jornalismo cai

Eu devia ter escrito isso já no outro post, mas deixo aqui uma previsão: o STF vai decidir pelo fim manutenção da exigência do diploma.

Posso estar errado, mas se não arriscar, não estarei certo também. Tenho alguns motivos para apostar nisso: muita gente no governo não gostou, por exemplo, que o CQC teve sua entrada liberada no Congresso. Sem o diploma, mais humorísticos terão liberdade para fazer o mesmo — incluindo repórteres do próprio CQC, como Danilo Gentili e Oscar Filho, que na verdade são comediantes. E se o CQC quer se chamar de jornalístico, uma vez mantida a exigência do diploma a posição destes rapazes no programa ficará complicada.

O STF tem adorado contrariar o governo ultimamente, basta ver os habeas corpus da Operação Satiagraha.

Caindo a exigência, a resposta será um intenso lobby, por parte da Fenaj e do próprio governo — a União e a Fenaj recorreram juntas da decisão inicial que em 2001 aboliu a exigência — para criar alguma outra lei ou emenda constitucional que a substitua. O STF, por sua vez, vai recomendar algo que solidifique a decisão tomada.

E aproveito a oportunidade pra dizer: sou contra a exigência do diploma. Os argumentos pelo lado a favor da exigência que ouço na universidade e outros lugares são, um mais do que o outro, baseados em self-interest e corporativismo. Resultado: fui jogado para o outro lado. Ouvi na universidade que eu não posso ter esta posição sendo estudante de jornalismo. Ora, ora! Estou estudando jornalismo porque quero aprender a fazer um bom jornalismo. O diploma é secundário, pois ele nem garante a qualidade do profissional. Estou ali pra estudar e aproveitar meu tempo.

Curso que distribui diploma em vez de formar jornalista merece acabar mesmo.

Seria mais conveniente para mim lutar pela obrigação da diploma, porque estou estudando jornalismo e com isso teria emprego mais facilmente. Mas o fato é que jornalismo é algo que pode ser aprendido de várias formas, inclusive autodidata, e se alguém aprende a fazer jornalismo melhor do que eu sem precisar ir para uma faculdade, parabéns para ele.